um blogue à deriva

03/10/09

rotina



Ao abrir a janela do quarto para outras
janelas de outros quartos, ao veres a rua que desemboca
noutras ruas, e as pessoas que se cruzam
em cada início de manhã, talvez te apeteça
voltar para dentro, onde ninguém te espera. Mas
o dia nasceu - um outro dia, e a contagem do tempo
começou a partir do momento em que
abriste a janela, e em que todas as janelas
da rua se abriram, como a tua. Então, resta-te
saber com quem te irás cruzar, esta manhã: se
o rosto que vais fixar, por uns instantes, retribuirá
o teu gesto; ou se alguém, no primeiro café que
tomares, te devolverá a mesma inquietação
que saboreias, enquanto esperas que o líquido
arrefeça.



Poema de Nuno Júdice, enviado por João M.
Fotografia de Harry Callahan

2 comentários:

  1. os pequenos gestos de um início de manhã...gosto
    :)

    ResponderEliminar
  2. ci, obrigada pelo comentário e parabéns pelo T.O.O.L.

    ResponderEliminar

mês a mês