um blogue à deriva

19/06/12

nocturno































 (...)
Ah o crepúsculo, o cair da noite, o acender das luzes nas grandes cidades
E a mão de mistério que abafa o bulício,
E o cansaço de tudo em nós que nos corrompe
Para uma sensação exata e precisa e ativa da Vida!
Cada rua é um canal de uma Veneza de tédios
E que misterioso o fundo unânime das ruas,
Das ruas ao cair da noite (...)


Álvaro de Campos

2 comentários:

  1. «...o fundo unânime das ruas»


    dá vontade de uma pessoa se atirar ao pescoço do gajo, mandá-lo ao chão e cof cof cof... abraçá-lo e perguntar pela família e pela Ofélinha ou lá o que era :)

    ResponderEliminar

mês a mês